Thursday, August 26, 2010

Tiramisù


O melhor tiramisù que já comi em toda a minha vida foi em casa da Ghibli, num dos nossos jantares de segunda. E foi a receita e as dicas dela que eu segui. Ora, a parte das dicas é fácil, já a receita em italiano…

http://lechocolatier.blogspot.com/search/label/*%20Cozinha%20Italiana


Bom, italiano não é o meu forte mas também não é a primeira vez que faço tiramisù, o que tornou a tradução um pouco intuitiva. Ghibli, se encontrares alguma coisa que esteja completamente fora do contexto da receita, diz!


Tiramisù

400g de queijo mascarpone
200g de biscoitos La Reine
150g de açúcar
200g de chocolate preto ralado
3 chávenas de café expresso
4 gemas
2 claras

Bata as claras em castelo. Bata as gemas com o açúcar até a mistura estar esbranquiçada e leve. Junte o queijo mascarpone e as claras em castelo. Numa travessa, disponha os biscoitos embebidos no café expresso, seguidos do creme de mascarpone e do chocolate ralado, em sucessivas camadas. Termine com uma camada de chocolate. Leve ao frigorífico durante 3 horas.


Dica Naturopatia by Maria

O cacau é útil para reparar e manter o bom funcionamento dos vasos sanguíneos
As pessoas com problemas cardiovasculares devem tomar cacau devido à sua riqueza em bioflavonoides.
É útil em casos de hipertensão arterial, pois relaxa as paredes dos vasos sanguíneos.
No entanto estamos a falar dos efeitos do cacau puro, sem açúcar, nem leite. Por isso, o melhor é consumir diariamente, mas de forma moderada, chocolate puro, com 99% de cacau e sem leite.

Pin It Now!

Tuesday, August 24, 2010

Salada de chalotas e queijo de cabra

Vocês sabiam que os orégãos fazem bem quando estamos constipados? Ao contrário da aveia que, tal como os lacticínios em geral, aumentam a mucosidade? São estes e outros factos interessantes que aprendo com a minha amiga MJ quando ela está por Lisboa. Ela acabou o curso de naturopatia em Madrid acerca de um ano e gosta particularmente de ajudar as pessoas através de uma correcta alimentação. Por vezes isso inclui não comer coisas que no geral fazem bem mas que de acordo com os problemas que temos não são aconselháveis. A partir de hoje vou partilhar convosco algumas dicas dela e para mais informação deixo-vos o site: http://naturopatiabymaria.wordpress.com/

A receita de hoje é do Jamie Oliver, para variar um pouco à Donna Hay… É muito, muito simples. Acabei por alterar um pouco para adaptá-la aos ingredientes que tinha em casa – usei rúcola em vez de espinafres encarnados e Feta em vez de queijo de cabra “convencional”. Juntei umas nozes e temperei com vinagrete de mel (vejam a receita aqui).

Ora, a MJ, também não é muito fã de carne e está sempre a falar de como as leguminosas são óptimas fontes de proteína vegetal e que quando combinadas com determinados cereais fazem uma proteína quase tão boa como a encontrada nos ovos. Assim sendo, servi esta salada juntamente com mais duas: uma de lentilhas e cebola roxa (vejam a receita aqui) e outra de grão e iogurte. E, à última da hora ainda preparei uma tacinha com ricotta temperado com azeite e folhas de manjericão!



Salada de chalotas e queijo de cabra

4 ou 5 chalotas, cortadas ao meio mas com casca
2 ou 3 dentes de alho
Raminhos de tomilho
Azeite e sal
Rúcola ou espinafres
Queijo de cabra aos pedaços
Nozes
Vinagrette de mel

Pré-aqueça o forno a 200ºC. Numa tigela tempere as chalotas e os alhos com azeite, sal e tomilho e disponha tudo num tabuleiro. Leve ao forno durante 20 minutos ou até as chalotas estarem tostadas. Deixe arrefecer. Num prato grande junte a rúcola, o quejio de cabra esfarelado, umas nozes picadas, as chalotas e os alhos (entretanto eu tirei as cascas). Tempere tudo com o vinagrete de mel e sirva.

Pin It Now!

Wednesday, August 18, 2010

Lemony flat peach cake


Estou a pensar em alterar temporariamente o nome do meu blog para “In the mood for testing Donna Hay’s Seasons recipes”…!

Logo no meu primeiro dia de férias, sentei-me confortavelmente no sofá e marquei uma série de receitas que queria fazer, não só do Seasons, mas também talvez repetir algumas do livro da Molly Wizenberg (o meu livro de eleição do ano passado!), e fazer mais umas quantas da revista do Jamie Oliver e da Delicious. Vim mesmo com o objectivo de cozinhar muito durante estas férias e tenho passado bastante tempo na cozinha. Mas também tenho tido tempo para muito mais. Aliás, isso é o que é bom de estar de férias em casa, é que tenho tempo para fazer uma série de coisas que normalmente não teria sequer paciência em pensar em fazê-las, tipo jardinar (=”podar” indiscriminadamente todas as árvores do jardim) ou pintar umas tábuas velhas para usar nas minhas fotografias.


E devo dizer que ambas são tarefas relaxantes q.b. Bom, a parte do lixar envolve algum trabalho de braços, e mal consigo mexer as mãos de tanto cortar ramos, mas é sempre benéfico fazer algum exercício nas férias, principalmente quando se passa o resto do dia deitada na praia sem fazer nada!


Este bolo é sem dúvida um “winner”, a massa é macia e a combinação do limão com o pêssego é deliciosa. Fiz duas ligeiras alterações à receita original: usei açúcar amarelo em vez de açúcar branco e experimentei pela primeira vez os pêssegos paraguaios (flat peaches). Originários da China, aliás como quase todos os pêssegos – fiquei eu a saber depois da minha pesquisa – têm a polpa amarela e um sabor mais suave e menos ácido que os pêssegos normais.



Lemony flat peach cake (Bolo de limão e pêssego paraguaio adaptado da receita da Donna Hay)

175g de manteiga amolecida
¾ chávena de açúcar amarelo
2 c.sopa de raspa de limão
3 ovos
1 chávena de farinha sem fermento
1 c.chá de fermento para bolos
¼ chávena de iogurte natural
4 pêssegos paraguaios cortados ao gomos

Pré-aqueça o forno a 180ºC. Unte uma forma redonda com cerca de 20 cm e polvilhe com farinha. Numa tigela bata a manteiga, a raspa de limão e o açúcar até ficar tudo cremoso e leve. Junte os ovos batendo bem entre cada um. Adicione a farinha e o fermento peneirados, seguidos do iogurte, e bata bem até estar tudo bem incorporado. Deite a massa na forma e disponha os pedaços de pêssego dentro da mesma. Leve ao forno durante 40 minutos ou até estar dourado e cozido. Deixe arrefecer dentro da forma durante 10 minutos antes de desenformar.

Pin It Now!

Sunday, August 15, 2010

Insalata caprese a la Donna Hay

Estou finalmente de férias. 15 dias em Azeitão. 15 dias de praia, de leitura, de descanso e de muitas receitas!

Esta receita, mais uma vez do livro Seasons da Donna Hay, é uma variante muito original à salada de tomate, mozzarella e manjericão que todos conhecemos.

Neste caso, o tomate é envolvido em presunto e assado no forno e o resultado é uma mistura sumarenta de tomate assado com presunto estaladiço e queijo mozzarella fresco e macio!


Insalata caprese a la Donna Hay

1 tomate
1 fatia de presunto
1 queijo mozzarella
Folhas de manjericão fresco
Sal, pimenta, azeite e vinagre

Pré-aqueça o forno a 200ºC. Enrole uma fatia de presunto à volta do tomate e coloque-o num tabuleiro forrado com papel de alumínio ou vegetal. Tempere com um pouco de sal, pimenta e azeite. Leve o tomate ao forno durante 15 minutos. Num prato disponha o queijo, o tomate e algumas folhas de manjericão. Tempere tudo com azeite e vinagre.
Pin It Now!

Monday, August 09, 2010

Água fresca de pêssego e baunilha

Espero que tenham estado a aproveitar estes dias de verão. Para mim, e por enquanto, tem sido só aos fins-de-semana: muita praia, ameijoas e cocktails ao pôr do sol - estas são as três principais razões pelas quais não tenho actualizado o blog...!


E que receita melhor para compensar esta ausência do que uma água fresca, aromática e suave, perfeita para um dia como o de hoje. Devo dizer que é daquelas receitas que vale todo o esforço e tudo o que suja. Até experimentarem, provavelmente pensarão "para quê tanto esforço quando se pode beber um sumo natural". Mas não é a mesma coisa.

Começa-se com fruta fresca, neste caso pêssegos. Lavam-se bem, cortam-se aos pedaços e trituram-se alguns pedaços de cada vez num food processor juntamente com alguma água - mais ou menos dois pêssegos de cada vez com 3/4 de copo de água. Vai se reservando esta polpa numa tigela e quando todos os pêssegos estiverem triturados, pega-se num pano fino e passa-se a polpa através do pano - é o que demora mais tempo e o que suja mais, é preciso paciência, muita. Depois junta-se muita água, bem fresca, e adoça-se, a gosto, com um xarope leve de açúcar (1 medida de açúcar diluida numa de água)e uma gotas de extracto* de baunilha. Serve-se com muito, muito gelo! Mais sabores aqui.

* Ao longo das receitas que tenho escrito no blog, tenho sempre referido essência de baunilha quando na realidade o que quero dizer é extracto de baunilha. Extracto de baunilha é o que uso sempre e devem sempre preferir extracto a essência pois é mais natural. Tenham só em atenção que extracto de baunilha leva álcool.

Pin It Now!